COTEC participa em grupo de trabalho para a Cibersegurança

O Governo criou um grupo de trabalho para disseminar boas práticas e soluções de cibersegurança junto do tecido empresarial. O relatório final das actividades do grupo será publicado até 31 de Julho.

O Governo criou o Grupo de Trabalho para a Cibersegurança (GTCS) que tem como missão “definir boas práticas de cibersegurança” para empresas e consumidores. A COTEC Portugal é uma das entidades que será regularmente consultada. A missão do GTCS é disseminar “soluções e boas práticas de cibersegurança junto do tecido empresarial”. Em causa estão, especialmente micro e PME de todos os sectores. De acordo com o diploma publicado a 6 de Maio, no Diário da República, o GTCS pretende também explorar as oportunidades que a cibersegurança oferece enquanto sector económico.

 

Está prevista a apresentação de um relatório intercalar das actividades deste grupo até 15 de Maio e um relatório final e resultados até 31 de Julho. A partir os resultados deste relatório o Governo decidirá sobre a necessidade de manter ou extinguir o grupo.

 

O GTCS é composto por representantes do Centro Nacional de Cibersegurança (coordenador operacional e autoridade nacional competente em matéria de cibersegurança), da Direcção-Geral das Actividades Económicas, Direcção-Geral do Consumidor, Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, Agência para a Competitividade e Inovação e Agência Nacional de Inovação.

 

O grupo irá consultar e envolver um vasto grupo de entidades do sector empresarial abarcando associações empresariais, como é o caso da COTEC Portugal, e de defesa dos consumidores, mas também instituições de ensino superior e empresas. Neste último grupo incluem-se empresas que trabalham na área da cibersegurança como a Cisco, a JSCrambler, a Natixis, a S21Sec, a Siemens ou a Sonae IM ou a spin-off da universidade do Porto na área da cibersegurança Adyta.

 

O Grupo de trabalho surge no âmbito do programa do Governo que se foca na promoção da inovação, nomeadamente através da Estratégia Nacional para a Digitalização da Economia (i4.0), lançada em 2017, ou da Iniciativa Nacional Competências Digitais e.2030, Portugal INCoDe.2030.

 

O foco nas micro e pequenas empresas está relacionado com a radiografia do tecido empresarial nacional que, segundo o despacho agora publicado, têm “níveis insuficientes de conhecimento de ferramentas de cibersegurança”. Esta escassez torna fundamental o reforço da difusão junto das mesmas de boas práticas e disseminação de soluções de cibersegurança.

 

Tendo em conta que o tecido empresarial é muitas vezes o primeiro ponto de contacto do consumidor com a economia digital, o Governo considera igualmente importante o papel que aqueles devem ter na informação aos consumidores sobre as precauções a tomar para garantir a segurança dos sistemas de informação.

Subscreva a nossa newsletter
Preencha corretamente os campos
Pesquisa
Escreva o que pretende procurar
Resultados da pesquisa
Sugerir a um amigo