Publicado em 17 de Novembro de 2015

Empreendedores da Diáspora podem candidatar-se a partir de hoje aos prémios FAZ da COTEC Portugal e da Fundação Calouste Gulbenkian

A partir de hoje estão abertas as candidaturas para uma nova edição do Concurso Ideias de Origem Portuguesa e do Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa, que formam a iniciativa FAZ - Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa, promovida pela Fundação Calouste Gulbenkian e pela COTEC Portugal com o objetivo de aproximar a diáspora portuguesa do seu país.

© COTEC Portugal

 

Esta parceria decorre da convicção de ambas as entidades na importância inequívoca da diáspora portuguesa, do valor do seu envolvimento e capitalização da riqueza das suas experiências, para o desenvolvimento de Portugal a nível económico, social e cultural.

Desta forma, e sob a assinatura FAZ - Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa, a Fundação Calouste Gulbenkian e a COTEC Portugal têm, conjuntamente, vindo a dar a conhecer portugueses notáveis desde 2013.

Os interessados podem submeter candidaturas nos respectivos sítios: www.cotec.pt/diaspora e www.ideiasdeorigemportuguesa.org

Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa
Candidaturas até 31 de Março de 2015

Promovido pela COTEC Portugal desde 2007, e contando com o alto patrocínio do Presidente da República, o Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa pretende distinguir e divulgar publicamente cidadãos portugueses que se tenham destacado pelo seu papel empreendedor e inovador no meio empresarial, mas também social ou cultural, no contexto das respectivas sociedades de acolhimento, onde se encontrem há mais de 5 anos.

O Prémio tem contribuído para fortalecer a ligação dos portugueses ao seu país de origem e para reforçar a imagem e prestígio de Portugal no estrangeiro, procurando também promover reflexos na internacionalização da economia e na atracção de investimento, bem como na valorização da língua e da cultura nacional. Trata-se de um projecto impulsionador do papel que a diáspora pode desempenhar na economia portuguesa, elevando o valor dos portugueses da Diáspora junto das empresas e da opinião pública residentes.

No decorrer das suas sete edições, o Prémio Diáspora deu a conhecer importantes personalidades que se afirmaram em sociedades da mais elevada exigência como Austrália, EUA e França. A última edição deste Prémio reuniu até agora o número recorde de candidaturas: 176. Os candidatos da 7.ª edição foram oriundos de 37 países, sendo que os países com maior participação continuaram a ser França (21%), EUA (16%), Brasil (10%), Canadá e Espanha (cada um com 5% das candidaturas). Na última edição, registou-se o aumento da influência do sector empresarial/financeiro, com 39% das candidaturas, e da área das indústrias criativas (18%). Salientam-se os diferentes perfis empresariais dos candidatos, bem como a sua diversidade, provenientes de vários domínios de actividade económica como os sectores alimentar, transportes, tecnologias de informação e comunicações ou imobiliário.

Ricardo Ribeiro, production manager dos Thirty Seconds to Mars, e Jorge da Costa, Presidente do Grupo Improvon, foram os vencedores da última edição do Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa.

Aos 20 anos, Ricardo Ribeiro decidiu partir para Londres, onde rapidamente conseguiu trabalhar numa das mais míticas casas da capital inglesa, “Astoria”. Passados 9 meses, tornou se assistente de Stage manager e desde aí, Ricardo tem trabalhado como Tour Manager ou Production Manager para bandas e artistas como Thirty Seconds to Mars – sendo actualmente o Produtor Executivo da sua Tournée Mundial que, com ele, em 2010, entrou nos recordes do Guiness –, Kanye West, Mick Jagger, Stevie Wonder, Raphael Saadiq, The Streets, Cansey de Ser Sexy, Joss Stone, Phoenix, Jennifer Hudson, Earth Wind & Fire, We Are The Scientists, entre outros. O seu primeiro grande concerto foi o dos Rolling Stones, em 2004, tinha então 22 anos, seguindo-se o de Madonna.

Natural de Viana do Castelo, Jorge da Costa vive em África do Sul desde os 13 anos. É Presidente do Grupo Improvon – que conta com 85 colaboradores e tem um volume de negócios de 350 milhões de euros – e Director de dois fundos imobiliários cotados na bolsa de valores de Joanesburgo. Lançado em 1994, o Grupo Improvon é líder de investimento imobiliário e construção comercial e industrial, especializado na criação de soluções sustentáveis e inovadoras de propriedade à medida, adequadas para as necessidades específicas de empresas que procuram espaços industriais, comerciais ou de armazenagem. Com preocupações de sustentabilidade ambiental, utilizando materiais e processos que, entre outros, permitem poupar e reutilizar água, e aproveitar a energia solar, o Grupo Improvon foi distinguido com os prémios Best Industrial Building e Best Green Building.

Concurso Ideias de Origem Portuguesa (IOP)

Candidaturas até 2 de Março de 2015

 

O objectivo deste concurso é encontrar projectos de Empreendedorismo Social que façam a diferença nas áreas do Ambiente e Sustentabilidade, do Diálogo Intercultural, do Envelhecimento e da Inclusão Social.

Para participar só é necessário constituir uma equipa que integre um português ou lusodescendente residente no estrangeiro e submeter um vídeo ilustrativo da ideia que propõe.

Criado pela Fundação Calouste Gulbenkian em 2010 para usar a experiência, o talento e o dinamismo dos emigrantes portugueses em benefício do seu país de origem, o Concurso Ideias de Origem Portuguesa registou grande adesão nas edições anteriores, com um total de 345 ideias provenientes de mais de 30 países dos 5 continentes.

Na primeira edição, a ideia vencedora foi “Requalificação a Custo Zero” que se materializou no projeto Arrebita!Porto, actualmente a trabalhar na reabilitação de um edifício devoluto na Ribeira do Porto.

Na segunda edição, foram premiados três projectos: Orquestra XXI, que reúne músicos portugueses espalhados pelas melhores orquestras do Mundo para tocar com regularidade em Portugal; Fruta Feia, projecto de combate ao desperdício alimentar, que criou uma cooperativa de consumo para distribuir fruta e legumes que não são vendidos apenas por razões estéticas; e o Rés-do-chão, projecto que dinamiza os pisos térreos de edifícios desocupados, aproveitando esses espaços para promover indústrias criativas locais.

Na terceira edição foram premiados os projectos: Sumos Portugal, que visa criar unidades móveis de produção e venda de sumos naturais, totalmente dinamizados por pessoas com deficiência; Salva a Lã Portuguesa, projecto que pretende revitalizar a produção e uso de fio de lã português, a partir das espécies autóctones do nosso país; e Plantei.eu, uma plataforma online para partilha de conhecimentos e experiências na temática da agricultura biológica.


Candidaturas e mais informações sobre os Prémios FAZ em:

Subscreva a nossa newsletter
Preencha corretamente os campos
Pesquisa
Escreva o que pretende procurar
Resultados da pesquisa
Sugerir a um amigo