Publicado a 23 de maio de 2017

Roland Kupers desafia instituições portuguesas a unirem-se em esforço de criação de cenários de futuro

"Os cenários constituem uma forma excelente de explorar as incertezas do futuro, permitindo às empresas explorar livremente com o governo, instituições, universidade e sociedade civil", explicou Roland Kupers, académico e consultor especializado em estratégia, complexidade e resiliência, no contexto da sua intervenção no 14.º Encontro Nacional de Inovação da COTEC, que teve lugar a 16 de maio no CEiiA, em Matosinhos.

Para o Professor Associado da Universidade de Oxford, embora haja "limites ao nosso conhecimento sobre o futuro, estamos ao mesmo tempo viciados à ideia de que queremos conhecer o futuro" e para isso pagamos a consultores e think tanks para nos dizerem como será o futuro. Adicionalmente, estar preparado para o futuro permite-nos "saber para que direção se deve dirigir a inovação".

No entanto, na opinião do antigo Vice-Presidente para o Desenvolvimento Sustentável da Royal Dutch Shell, as previsões não são a ferramenta indicada para preparar o futuro, porque são uma projeção linear do futuro a partir do passado. Pelo contrário, os cenários são "histórias múltiplas sobre o futuro", são "um conjunto de diferentes futuros alternativos", constituindo-se, na opinião de Roland Kupers, como a ferramenta indicada para lidar com o futuro. A metodologia de cenarização é uma ferramenta "sólida, desenvolvida por muitas décadas", mas que constitui também um processo "interativo e coletivo".

No que diz respeito ao conceito de inovação em si, Roland Kupers defende que "a inovação não tem a ver com novas ideias, mas com a recombinação" e por isso requer o acesso a um ecossistema de ideias e a capacidade de as recombinar. Nesse sentido, e embora as empresas sejam peritas em inovação de processo, "a inovação fundamental é geneticamente difícil para as empresas". De facto, as grandes empresas, devido à sua dimensão, podem ceder à tentação de se fecharem ao mundo, o que é contrário à criação de inovações fundamentais.

A inovação é, assim, um "processo coletivo", da mesma forma como o esforço de cenarização do futuro deve ser. Por esse motivo, e em conclusão do seu discurso, o autor do livro "The Essence of Scenarios" desafiou Portugal a unir-se num esforço de cenarização do seu futuro. A união permitirá "criar histórias mais ricas sobre o futuro", sendo que "os cenários poderiam ser de propriedade coletiva, mas as implicações estratégicas seriam privadas", com cada empresa a retirar as suas conclusões.

 

Subscreva a nossa newsletter
Preencha corretamente os campos
Pesquisa
Escreva o que pretende procurar
Resultados da pesquisa
Sugerir a um amigo