Publicada a 8 de março de 2016

UMinho e Bosch Car Multimedia celebram maior contrato de I&D de sempre em Portugal

A Universidade do Minho (UMinho) e a empresa Bosch Car Multimedia são parceiros do maior contrato de investigação e desenvolvimento até hoje celebrado em Portugal. O acordo assinado no dia 4 de março, em Braga, envolve um investimento de cerca de 55 milhões de euros e prevê a contratação de 90 engenheiros e 170 bolseiros.

A aposta da Bosch no desenvolvimento do cockpit automóvel do futuro na fábrica de Braga, com novas soluções ao nível da realidade aumentada, condução autónoma, interface homem-máquina, sensores de redução do ruído ou aplicação de ecloud permitirá a contratação de mil novos colaboradores nos próximos três anos, sendo “altamente qualificada” a maior parte dessa mão-de-obra.

Carlos Ribas, Diretor Técnico da Bosch, garantiu, na cerimónia de assinatura do contrato com a UMinho, a vontade da multinacional em «intensificar o investimento em Portugal», perspectivando que a Bosch Braga passe, em «poucos anos», dos actuais «516 milhões de euros para mil milhões de euros de vendas», reforçando assim a sua posição no «topo dos exportadores nacionais».

O registo de 22 novas patentes até 2018 é outra das metas do acordo entre a Bosch e a UMinho, que beneficia de financiamento público via Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP).

Nas duas vertentes deste projeto de investigação e desenvolvimento, INNOVCAR e iFACTORY, iniciadas em Julho de 2015, foram já registadas 12 patentes.

Entre 2012 e 2015, numa primeira fase da parceria entre a UMinho e a Bosch, foram investidos 190 milhões de euros.

O Reitor da Universidade do Minho, António Cunha, aproveitou a presença do Primeiro Ministro e de vários outros Membros do Governo na assinatura da segunda fase da parceria com a multinacional alemã, denominada ‘Innovative Car HMI’ para solicitar apoio estatal à criação da ‘Academia Bosch’, projecto de formação de recursos humanos qualificados, e de um programa de capacitação de fornecedores nacionais para a empresa.

A Academia visa reconverter competências de licenciados ou estudantes da UMinho para vertentes tecnológicas e industriais necessárias à Bosch e, por outro lado, a formação contínua dos colaboradores da empresa.

Sobre a rede de fornecedores, o Reitor entende que a mesma tem de criar uma cadeia de alto valor acrescentado envolvendo parceiros de desenvolvimento de produtos de última geração. «Será uma rede de parcerias complexa, baseada em competência, confiança e competitividade pelo conhecimento», explicou.

Carlos Ribas sublinhou que «é vontade da Bosch manter talentos em Portugal», e nomeadamente na fábrica de Braga.

 

Fonte: Correio do Minho

Subscreva a nossa newsletter
Preencha corretamente os campos
Pesquisa
Escreva o que pretende procurar
Resultados da pesquisa
Sugerir a um amigo